sábado, 16 de outubro de 2010

"Tudo o que eu devia saber aprendi no Jardim de Infãncia

Grande parte das coisas que preciso de saber sobre a vida,

sobre o que fazer e como ser, aprendi no jardim de infância...

A sabedoria, afinal, não estava no topo de uma montanha chamada Universidade

mas sim na caixa de areia da minha escola.

Eis as coisas que aprendi:

a compartilhar... a não fazer batota...

a não magoar os outros... a arrumar o que desarrumei... e a limpar o que sujei.

A não tirar o que não me pertence, a pedir desculpa quando magoo alguém.

A lavar as mãos antes de comer. A puxar o autoclismo.

Aprendi que o leite faz bem á saúde.

Aprendi a aprender, a pensar e também que

desenhar, pintar, cantar e dançar era bom...

a dormir a sesta... a ter cuidado com o trânsito ... a dar a mão, a ser solidário.

Vi a semente a crescer no copo de plástico;

as raízes descem e a planta, sobe embora não saiba porquê, gosta-se.

Os peixes dourados, os hamsters, os ratinhos brancos...

(e mesmo a planta no copo de plástico) morrem. Nós também.

E lembro-me dos primeiros livros, da primeira palavra que aprendi: olha!

É isso que tenho feito sempre.

Se todos - em todo o mundo - tivessem tomado

um copo de leite às quatro da tarde,

depois de terem dormido a sesta,

o mundo estaria bem melhor.

Ou se houvesse uma política de base no nosso país - e em todos os outros - de

devolver o que não é nosso e de limpar o que sujamos.

E também sei que é verdade, que ainda é verdade,

que no mundo o melhor é dar as mãos...

e ficarmos juntos.

Fonte: Tudo que Eu Devia Saber Aprendi no Jardim de infânciaRobert Fulghum – ed. Best Seller, este texto é um resumo da tese do Dr. Robert Fulghum, transformada em livro que se tornou um best-seller nos Estados Unidos. Escritor americano, cujos livros estão traduzidos em 27 línguas. É filósofo, teólogo, dedica-se às artes e é professor numa universidade americana.

1 comentário: